segunda-feira, 11 de março de 2013

À MEU SOBRINHO: Aspirante Político.


Quando recebi o cartaz (ao lado), enviado pelo meu sobrinho, via Facebook, respondi-lhe:
  
Pois você esta em uma das grandes batalhas da sociedade brasileira, meu preclaro sobrinho, aspirante político. Como eu já estive! 

Não é fácil, e vai exigir do guerreiro paciência, perspicácia, atenção, cuidado, sobriedade, estudo, liderança e uma série de outros itens. 

Além do mais, quando lhe for delegado um mandato a inveja o assolará; a traição o perseguirá; os inimigos dobrarão o fogo e os amigos só o servirão em troca de benesses. 

Nos parlamentos, quaisquer que forem, os interesses são difusos; mercantilistas; sorrateiros. O voto é moeda de troca e o povo manipulável. 

Os meios de comunicação servem à interesses abjetos e a tão propalada democracia é fruto de acordos de grupos que se transformou numa ditadura daqueles que detêm o poder através de uma estrutura mitificada que nenhuma das instituições da República tem poder para mudar. Seus membros são viciados; corrompidos; atrelados à favores e compromissos escusos. 

Lançar-se à essa batalha é certeza de manchar-se com a lama abjeta que habita a sarjeta imunda dos interesses pessoais e da falsidade. O guerreiro tem que ser, além de tudo, ágil o suficiente para lavar-se imediatamente à cada imundície que lhe é lançada; abrigando-se na verdade da ética e da moral. 

Somente os grandes guerreiros sobrevivem; e eu não conheço nenhum vivo. Nem mesmo os resilientes conseguiram suportar o mau cheiro do esgoto habitado pela politicagem; e os filósofos, que por acaso lá estiveram por algum tempo, deram-se por vencidos. 

Enquanto perdurar o analfabetismo político isso vai continuar; o povo será refém das estruturas maquiavélicas do poder que lhes garantirá migalhas em troca de mandatos. A educação será cada vez mais esfacelada para que poucos possam pensar criticamente e, esses poucos, estarão atrelados aos interesses da classe dominante. 

A saúde será barganha, usada como moeda de troca, e para sobreviver o indivíduo se resignará ao servilismo. 

Eis aí, meu guerreiro-sobrinho, aspirante à político, uma visão de lutas inglórias, o traçado de um caminho previsível na história política de nosso País. 

Digo-te: lute; lute em prol das instituições, que estão acima dos homens. Lute, em prol de ideais éticos e verossímeis. Lute, lute com bravura, para não morrer sem a glória de ter sido um guerreiro que acreditou na possibilidade da vitória. 

Um comentário:

leandro fridel disse...

Obrigado pela lembrança e consideração tio.Espero honrar e orgulhar a família,buscando ao máximo desviar das águias,buscando aquilo que é justo,correto e verdadeiro.Um grão de areia faz sim a diferença no castelo .