segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

COMEÇOU A GUERRA?

A Guerra da Síria começou com grandes protestos populares em 26 de janeiro de 2011 e progrediu para uma violenta revolta armada em 15 de março do mesmo ano. Em 26 de agosto de 2011 tornou-se uma guerra declarada pelo próprio governo, e em 15 de julho de 2012 a Cruz Vermelha declarou o conflito como Guerra Civil uma vez que de um lado encontrava-se o governo e, de outro, o Conselho Nacional Sírio, assim denominado pela oposição, legalizando o que chamaram de Exército Livre Sírio. 

Aproveitando-se do caos da Guerra Civil na Síria, e também no Iraque, no ano de 2013 forças externas, auto proclamadas de Estado Islâmico, entraram na guerra, inicialmente apoiando a oposição Síria e seu Exercito Livre Sírio, e a seguir começaram a reivindicar os territórios da região e atacar todos os envolvidos no palco da guerra.

No ano de 2014, já na posse de vários territórios e impondo suas leis, esses agressores, com seu exército, proclamaram um Califado na região e já empossaram seu líder como Califa.

Essa guerra civil, que por não ser um conflito internacional estava sujeita a Convenção de Genebra e, portanto, à investigação de crimes de guerra, hoje pode ser reavaliada pois o conflito passou a ser internacional com a intervenção da OTAN, dos Estados Unidos, de Países Árabes, da Rússia e do Irã. Acredita-se que os migrantes sejam em maior número do que àqueles da Segunda Guerra Mundial.

Até o momento 260 mil pessoas foram mortas, metade dos quais civis, e 130 mil pessoas presas. Mais de quatro milhões de refugiados buscaram abrigos no exterior.

Uma comparação:

Nessa guerra, de 2011 a 2015, foram contabilizadas 260 mil mortes em combate. No Brasil, até o momento, já morreram 280 mil pessoas de morte intencional violenta, por conta dos criminosos soltos pelas ruas e do caos na Segurança Nacional provocado pelo descaso dos governos iniciados em 2003.

Estamos em uma guerra?

sábado, 28 de janeiro de 2017

PUXÃO DE ORELHAS ATÁVICO

Alguns são importantes outros se julgam....

A Ministra presidente do STF, Carmen Lúcia, é importante por seu cargo e não podemos dizer que não tenha competência ou conhecimento, afinal é uma magistrada. Mas é uma magistrada como todos os demais da mesma área o são; nem mais e nem menos do que Sérgio Moro, por exemplo.

O Juiz Moro, quando a cumprimentou em Porto Alegre, quis ser simpático ao desejar que tivesse serenidade na escolha do novo relator dos processos deixados pelo falecimento do Ministro Teori Zavaski; quis ser elegante, delicado, educado para com a ministra e a forma que naquele momento lhe pareceu ser adequada foi a de desejar-lhe serenidade no trabalho difícil que a presidente do STF tem pela frente.

Mas Sérgio Moro nem terminou seu cumprimento e recebeu um brusco puxão de orelhas em forma de resposta: "Do Supremo cuido eu" (!) teria exclamado a ministra.

Que coisa mais feia! Deselegante e pernóstico; forma arrogante e deseducada de responder a um colega de profissão.  Uma grosseria!

O que se espera de um Ministro indicado politicamente é que faça o seu trabalho; de preferência sem a lerdeza costumeira que se observa no Supremo.

Sérgio Moro, por seu turno, o Juiz de 1ª instância, concursado e não indicado politicamente, vem fazendo o seu trabalho com rigor, competência, de acordo com a lei e exaustivamente com a "mão na massa"; desenvolvendo sua função numa tarefa árdua em prol da Nação brasileira.

O espanto da plateia que observa os acontecimentos em nosso país; plateia essa que pode ser traduzida por Nação, pois toda a Nação está de plantão, numa expectativa dramática, aguardando a solução dos problemas imensos que o País enfrenta, todo o espanto, repito, ficou por conta de uma única coisa: A grosseria! 

sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

VAMOS FALAR DE MUROS?

Trumph quer um muro que já existe; necessita apenas complementação e alguns ajustes. A imprensa comunista grita aos quatro ventos tamanha ousadia norte-americana; mas enquanto os cães ladram a caravana passa.

Mas por que esses cães não latem em outras fronteiras?

Barreiras Metálicas na fronteira de Ceuta e Melila
O muro que divide Espanha e Marrocos tem duas faces: Uma em Ceuta e, outra, em Melila; alguém por acaso tem uma ideia do seu custo? 30 milhões de Euros! Pagos pela União Europeia. É constituído por barreiras metálicas paralelas com seis metros de altura, encimados por arame farpado, postos de vigilância e caminhos entre barreiras para circulação de veículos de vigilância. O sistema é completado por redes de sensores subterrâneos de ruído e de movimento, luzes de grande potência, videovigilância e equipamentos de visão noturna.

E o muro do Marrocos? Quase o mesmo tamanho do que separa USA-México tem como suporte Minas que podem explodir em qualquer um que tente atravessá-lo; divide o país na fronteira com a Mauritânia.

A Grécia e a Turquia têm 200 km de fronteira e o muro anti-imigrantes é composto de uma cerca metálica com quatro metros de altura, reforçada com arame farpado; custou cerca de €$ 3,2 milhões aos cofres gregos e demorou um ano até ficar pronta em dezembro de 2012.

E tem muito mais! Israel e Cisjordania; as Coreias; tem muro até na ilha de Chipre numa disputa entre gregos e turcos com 180 km de extensão.

Barreira de arame farpado na região de Kashimir-Índia
Na índia mais 3 mil km de cercas separam-na do Paquistão, com permanente vigilância na região de Kashimir, onde uma barreira de arame farpado cercada por minas terrestres faz vítimas quase diariamente; uma barreira metálica se estende para impedir a imigração clandestina, estancar o terrorismo e o tráfico de drogas e armas. Já em Bangladesh uma outra barreira de ferro e arame farpado, com mais de 4 mil km, segue sendo patrulhada por guardas com ordem para atirar em qualquer invasor. Custou mais de 1 bilhão de dólares para a Índia há 26 anos atrás.

Embora muitos outros muros pelo mundo, que acarretaram mortes e ainda continuam ceifando vidas, por que o muro norte-americano, que agora Trumph quer concluir, é o que a imprensa comunista adora chamar de "muro da vergonha"?

Mais vergonhoso são os muros no Brasil que cada cidadão tem que construir para proteger seu patrimônio e se proteger da criminalidade que assola o País.

quinta-feira, 17 de novembro de 2016

VÍDEO ESCLARECEDOR

O General de Divisão, Intendente, EDUARDO CASTANHEIRA GARRIDO ALVES, 6º Subchefe do Estado-Maior do Exército esclarece sobre a pseudo previdência dos militares:

segunda-feira, 31 de outubro de 2016

O MUNDO É DOS JOVENS!

Esses políticos agarrados ao poder, como se fossem pulgas em dorso de cachorro, me deixam incomodado.
  
Escrevo há vários anos sobre política e sempre fui contra as reeleições. No parlamento me posicionei contrário, mas, óbvio, angariei sorrisos irônicos.

Meu amigo Léo Brandão cutucou-me com vara curta no dia de hoje e resolvi fazer uma catarse: Tem um lugar muito bom para determinadas idades, incluindo a minha: cuidar dos netos ou ser conselheiro.

Delfim Neto, sentado ao meu lado no plenário, num dia tumultuado de votações, confidenciou-me certa vez: "Estou cansado, velho, chego a dormir no plenário, tens que ficar no meu lugar; não vou mais concorrer é a tua vez".

A bondade do professor em me colocar como seu substituto tinha um equívoco: eu também estava caminhando para o momento de parar. Delfim não concorreu e eu desisti por dois motivos: Traição de um politiqueiro que não tinha mandato, mas tinha poder, e a idade que fatalmente iria me deixar na mesma situação do ex-Ministro.

Mas existem outros parlamentares que talvez até não durmam, mas faltam tanto que acredito que poderiam estar dormindo em casa. Dois que nunca esqueci e que, infelizmente, são da minha terra, foram campeões de faltas, mas que, por milagre, eram sempre abonadas.

Alguns deputados simplesmente somem de Brasília; lembro dois que somente avistei três meses depois de ter iniciada a legislatura. Assim é que: Não creio em políticos que se agarram ao poder e não se dão conta que está na hora da Juventude assumir o poder. Tem muito jovem excelente neste País; gente que estudou e tem a vida inteira pela frente. No Rio Grande do Sul o grande exemplo é Marcel Van Hattem! Atenção eleitores gaúchos: Esse garoto tem que ser eleito Deputado Federal.

É por isso que sempre fui contra as reeleições, não existem oportunidades aos melhores e sim àqueles que, por força da maestria no conhecimento do viés politiqueiro, se reelegem indefinidamente e não abrem espaço aos jovens.


Aprendam a parar meu deus; ninguém é insubstituível e certamente existem outros melhores nessa atividade! Mais jovem; com mais garra; com mais viço e que devem assumir, mesmo que seja para aprender. 

O mundo é dos jovens! 

domingo, 30 de outubro de 2016

ALHOS E BUGALHOS

Dos 57 municípios que tiveram segundo turno alguns trocaram alhos por bugalhos.

Nesses tais municípios o refrão é o mesmo: "Êta povinho que não aprende!"

Porto Alegre, minha terra, a prefeitura estará em boas mãos; parabéns ao Marchezan que está honrando o nome do seu Pai ao desenvolver um belo trabalho na Câmara; agora mãos a obra, pois a tarefa é bem mais árdua; não é simples exercer cargo no executivo.

Em Floripa, no último voto, o eleitorado fez àquilo que as crianças fazem quando não lhes trocam as fraldas a tempo. Mas o que fazer (?); é a tal democracia, respeitemo-la; mesmo que a vantagem tenha sido de apenas mil votos.

Mais apertada foi a vitória de Pozzobon em Santa Maria: Exatos 226 votos.

Em Joinville, cidade do interior de SC que tem mais eleitores do que a Capital, Udo Dohler foi reeleito sem surpresas.

Canoas resolveu a situação; falta explicações sobre a dinheirama espalhada pelo comitês de campanha do perdedor das eleições; será que a mochila do tesoureiro foi apreendida?

Em Curitiba ganhou o bonachão do Rafael Greca; quero que ele cumpra a palavra e administre a prefeitura com a cabeça, como havia afirmado ao responder perguntas de eleitores.

Deu PC do B no Nordeste; claro, nem tudo é perfeito e a esquerda mofada elegeu um prefeito em Aracaju; mas foi só!

Crivella não foi surpresa mas não é bom subestimar a cabeça do eleitorado; quando a gente pensa que começaram e se dar conta das manipulações Freixo faz mais de um milhão de votos; depois reclamam dos políticos. E pra fazer uma fuzarca no Rio, com um milhão de tontos, é bem fácil.

Alguém um dia ousou imaginar que Iris Rezende perderia uma eleição em Goiás? Muito menos na sua Capital. Mais de 100 mil votos de diferença do seu oponente Iris é o novo prefeito de Goiânia.

Em Manaus o vencedor é Artur Neto; pelo nome modificado nada se sabe mas, se colocarmos o Virgílio já saberíamos que não perderia a eleição. Politicão velho, dos antigos. O curioso é que até o "h" ele retirou do nome original: Arthur Virgílio Neto. É filho de outro político conhecidíssimo: Arthur Virgílio Filho. Foi reeleito.

Em Vila Velha torci por um ex-colega, pois sei que é bom de coração, de família humilde e não tenho nenhuma noticia que o desabonasse, mas, Neucimar Fraga, naufragou mais uma vez em eleições para o executivo. Já foi Deputado Federal e fez um bom trabalho para o seu Estado. Ganhou Max Filho que não conheço.

No restante dos municípios as eleições não tiveram surpresas.

segunda-feira, 24 de outubro de 2016

CIDADÃO?

Um povo que vende seu voto; troca por esmolas ou vota por amizade...
Um povo que vota em Presidente da República e desconhece o Vice-presidente; e desconhece o Vice-governador; e desconhece o Vice-prefeito; e desconhece o Senador; e desconhece o Deputado Federal; o Estadual e nem sabe em qual Vereador votou...
Um povo que de dois em dois anos exerce o poder do voto e não sabe que seu voto vai determinar quatro anos de mandato para cada eleito...
Um povo que vota no mais "bonitinho"; que vota no vizinho; que vota no amigo de infância; que vota no que está em primeiro lugar no IBOPE...
Um povo que diz: Não vou jogar meu voto fora...
Um povo que vai para a praia no domingo de eleição e depois justifica o voto...
Um povo que anula o voto por descaso....
Um povo que não comparece as urnas e depois quer reclamar do político que ele não elegeu...
Um povo que não conhece seus direitos... não é um povo; é apenas uma multidão desorganizada!

domingo, 23 de outubro de 2016

TEM UM PERIGO ESCONDIDO!

Tem um perigo escondido nos estardalhaços que estão sendo feitos por conta das falcatruas políticas.
Se continuar assim as Instituições não aguentarão.
Desmoralizar as Instituições é tática de subversivos e nós já conhecemos isso muito bem; sem elas o campo ficará livre para a baderna.
Mais trabalho, menos ego!

terça-feira, 6 de setembro de 2016

POR QUE ESTÁ ASSIM?

"O povo brasileiro gosta de viver perigosamente"! Esta afirmação me foi feita, certa vez, por um amigo de Leonel Brizola, que vivia em Lisboa. Disse-me, naquela ocasião, que voltaria ao Brasil somente para somar votos em pról do seu amigo. Infelizmente o destino não permitiu aos dois continuarem seus sonhos terrenos.
Hoje vivemos um impasse: Digladiando-se ideologicamente pelo poder dois lados colocam fogo em um processo que, viciado desde sua origem, não tem possibilidade de mudança. Todo o acerto proposto ou feito terá o vício da origem.
Mudar esse processo desde sua raiz seria necessário; mas como fazê-lo sem que se fira de morte as idiossincrasias?
Anote o que escrevo: Mais tarde será incontrolável e quando derem-se conta da necessidade de reencetar-se o caminho que perderam ferro e fogo serão retorcidos com carne humana: O cheiro será insuportável.

quarta-feira, 31 de agosto de 2016

ACABOU

Sessenta e um votos definiram uma agonia que poderia ter sido abreviado caso a detentora do poder tivesse tido a humildade que teve Fernando Collor; ou reconhecer seus erros, ou crimes, cometidos durante o tempo em que governou.

Agora é continuar em alerta pois este impedimento apenas retira do poder alguns incompetentes e muitos criminosos mas, ainda, não está livre nossa Nação do comunismo, dos bandidos e de uma máfia criminosa que não arreda pé de Brasília.

A Nação respira mais aliviada no dia de hoje mas amanhã deve continuar com o mesmo entusiasmo para com a Pátria e não deixa-la sucumbir pelas mãos de mafiosos que se utilizam de cargos para dessangrar o povo incauto.

Continuemos a luta!


OLHO ABERTO

O impedimento da Presidente, que acontece hoje, quarta feira, na votação do Senado da República, com pelo menos 58 Senadores votando contra a permanência de Dilma Roussef na Presidência do Brasil, não encerra a tentativa dos comunistas de fazer do País mais uma de suas republiquetas.

o "movimento" denominado Foro de São Paulo está esfusiante com esse resultado que se prevê pois Dilma foi tão incompetente que nem mesmo seus parceiros aderiram aos seus "tresloucados" argumentos, deixando-a como uma marionete nas mãos daqueles que realmente comandam a esquerda no Brasil.

Vai-se Dilma; salva-se o Projeto Comunista para o Brasil!

Nem mesmo Janaína Paschoal, que chorou na Tribuna do Senado Federal, pedindo desculpas à Dilma pelo sofrimento causado em função daquele processo e que, o fazia, inclusive pelos netos da presidente afastada, está isenta no que fez como jurista: Trabalhou para os dois lados!

Esquerdista confessa, a jurísta que se transformou em heroína para os brasileiros desavisados, conseguiu a façanha de livrar-nos de uma presidente sem competência e, ao mesmo tempo, salvar o projeto comunista pensado para o Brasil. Livrou o Foro de São Paulo de ser banido do País e deu uma sobrevida ao PT, que vai continuar liderando o processo de comunização que se desenrola na América Latina.

Os demais membros dos tais movimentos que se apelidaram de direita, a maioria são inocentes úteis e, alguns, nem tão úteis assim, e por isso mesmo já "defenestrados" pelos líderes do establishment que nos controla.

Toda esta encenação da esquerda é, também, de alegria; alguns nem sabem do que participam, são inocentes úteis, e outros, uma minoria, realmente são baderneiros utilizados para tentar impor o caos no País; existe mais uma parcela, àquela que faz arruaças por conta do que perderão (e já perderam) com a saída do PT do poder.

Mas a cúpula sabe muito bem o que quer; Dilma tinha que sair para salvar não só o PT e o movimento esquerdista no Brasil mas, o principal, o Foro de São Paulo e seu projeto de comunização para a América Latina.

Portanto, alegrem-se; mas a Luta Continua!

quinta-feira, 25 de agosto de 2016

CINCO DIAS DE ANGÚSTIA

Hoje, dia 25 de agosto, ironicamente o Dia do Soldado, é também o dia da Sessão de Abertura do Julgamento da presidente da República, já afastada preventivamente, e que certamente ira culminar no impedimento da já ex-mandatária.

Arrastar-se-á esse julgamento no mínimo por cinco dias; o circo e as fantasias terão destaque.

Esperemos que não hajam baixarias, coisa difícil num cenário em que são reunidos os representantes de um povo que não sabe votar; quanto mais sobre os ritos pertinentes à Câmara dos Deputados e ao Senado Federal. 

Na verdade os eleitores nada sabem; nem ao menos sobre o funcionamento das Câmaras Municipáis onde os eleitos são seus vizinhos e cumpadres.

Hoje todos os Senadores estão ansiosos para, apesar de já terem definidos seus votos, participarem das encenações que os retratará, pelo rádio e pela televisão, como os bravos defensores do povo; alguns querendo justificar a permanência de uma presidente que esfacelou o País e a própria Nação.

Essa agonia deverá prolongar-se até ao final deste mês e só então poderemos respirar mais aliviados; ou não!

O dia foi salvo pela Medalha do Pacificador, concedida pelo Exército Brasileiro ao Juiz Sérgio Moro.

sábado, 6 de agosto de 2016

ELEIÇÕES

A POLITICA é um jogo e não adianta maquiar; sejam quais forem os candidatos o máximo que se pode fazer é apostar.


sexta-feira, 5 de agosto de 2016

MEU RIO GRANDE DO SUL

Não sei como está o Rio Grande do Sul e a minha querida Capital Porto Alegre; acompanho as notícias, apenas, e elas são assustadoras. Agora, por conta de uma greve da polícia chegou-me a notícia de que houve até toque de recolher na capital do estado.

Uma lástima!

Sabe-se que existe guerra de quadrilhas nas vilas onde o tráfico é intenso e que o tiroteio tem sido permanente; na Vila Cruzeiro as polícias (Militar e Civil) redobraram o cuidado quando são obrigadas a entrar em ação; e o fazem com o esforço máximo, buscando reforços nos seus profissionais mais arrojados: O Batalhão de Operações Especiais da Brigada Militar - BOE; ou, se quiserem, a Polícia de Choque!

Mas por que esse caos na segurança pública do estado do Rio Grande do Sul?

Existe uma única resposta em qualquer parte do mundo: Falta de Autoridade!

O Governador do Rio Grande do Sul é um homem bom mas nem por isso tem todas as características que o termo exigiria, incluindo a justeza. Um homem bom é um homem justo! Sartori não conseguiria sê-lo enquanto governador do Rio Grande do Sul; mesmo sendo filósofo.

A carreira de Sartori é bonita e alguns dados eu extraí do Wikipédia para ilustrar:
"José Ivo Sartori (Farroupilha, 25 de fevereiro de 1948), conhecido também por Sartori, ou mesmo José Ivo, é um professor, filósofo e político brasileiro, filiado ao Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB) e o atual governador do estado do Rio Grande do Sul. É casado com Maria Helena Sartori, com quem tem dois filhos.
"Natural da Serra Gaúcha, formou-se em filosofia pela Universidade de Caxias do Sul (UCS) e foi professor universitário e de cursos pré-vestibulares. Iniciou sua carreira política no movimento estudantil e entre 1972 a 1975 presidiu o Diretório acadêmico (DCE) da UCS. Em seguida, filiou-se ao Movimento Democrático Brasileiro(MDB) e foi eleito vereador em Caxias do Sul em 1976. Exerceu cinco mandatos consecutivos como deputado estadual e presidiu a Assembleia Legislativa entre 1998 a 1999. Durante o governo de Pedro Simon, foi secretário estadual do Trabalho e Bem-Estar Social entre 1987 a 1988.
"Concorreu, sem sucesso, ao cargo de prefeito de Caxias do Sul em 1992 e 2000. Em 2002, elegeu-se deputado federal com quase cem mil votos. Em 2004, elegeu-se prefeito de Caxias no segundo turno com 52,4% dos votos. Quatro anos depois, reelegeu-se no primeiro turno com 54,3% dos votos, vencendo seu antecessor, Pepe Vargas.
"Em 29 de junho de 2014, foi oficializada sua candidatura ao Palácio Piratini. Em uma reviravolta na reta final da campanha, classificou-se para o segundo turno juntamente com o governador Tarso Genro. Em 26 de outubro, venceu a eleição com 61,2% dos votos, sendo empossado o trigésimo oitavo governador do Rio Grande do Sul em 1º de janeiro de 2015."

Ivo foi um bom aluno na UCS, onde lecionei nos bons tempos; depois foi meu colega de parlamento quando, então, resolveu ser Prefeito de Caxias o que culminou com a eleição ao Governo do Estado. É um bom homem; foi um bom aluno e como colega de parlamento não muito diferente de Yeda e Schirmer: Ausentes! Mas o Congresso tem sido assim mesmo: Plenários dos ausentes; e o são os mais famosos.

Para governar um estado (e principalmente o Rio Grande) não basta ser um homem bom, e tampouco um bom homem; administrar com eficácia é exigido não ser "político", com a cabeça voltada às eleições. Governar não é ser amigo de todos, ao contrário, é cultivar inimizades e as primeiras devem ser com bandidos e criminosos.

Muitos políticos têm vantagens com a criminalidade. Parece brincadeira? Não é! Mas não é também o caso do Governador do Rio Grande do Sul, podem acreditar. O problema é outro, e complexo.

Uma faxina geral no que existe de errado em um governo de estado faria com que o impedimento fosse colocado na pauta das Assembleias Legislativas pois afetaria os interesses de muita gente. Mas não distorçam o objetivo de um impedimento: Uma coisa é fazê-lo por incapacidade administrativa e por necessidade de uma "limpeza" nos excessos que se arrastam por anos; outra é fazê-lo de forma politiqueira e em represália a determinados atos que não favoreçam àqueles que se beneficiam da inércia. Infelizmente pode acontecer em ambos os casos e tem respaldo na Constituição através de um sofisma usual: Política!

Portanto, para Governar um estado, o político deve ter autoridade, e exercê-la!

Infelizmente, e as ações demonstram, não é o caso do bom aluno Sartori; ele é, somente, um homem bom. Tivesse autoridade e a exercesse teria muitas dores de cabeça mas consertaria o estado; mesmo com processos, direitos humanos incomodando e a "politicalha" o achincalhando.

Mão de ferro não mais existe; hoje até o Exército brada com um slogan pífio: Mão amiga!

Para consolo dos meus conterrâneos: Em política, nos quadros atuais, são pouquíssimos os homens bons; e para desespero: O quadro político está eivado de pessoas de índole duvidosa.

Vamos sofrer enquanto não aprendermos a votar e sofrer mais ainda enquanto não tomarmos decisões drásticas.

C'est la vie!

quarta-feira, 20 de julho de 2016

A PREVIDÊNCIA DOS MILITARES (O GRANDE GOLPE QUE O GOVERNO QUER REFAZER)

No caso específico dos militares, desde os primórdios das Forças Armadas no Brasil, os militares, enquanto vivessem, recolhiam contribuições voluntárias, quer tivessem filhas ou não, para beneficiar a viúva e as filhas em caso de seus falecimentos. Esse sistema era chamado de Montepio Militar.


por Gerhard Erich Boehme (*) (não é militar)

Em 1960, o Governo resolve incorporar ao Tesouro os fabulosos recursos do Montepio Militar (que era propriedade privada dos militares) e, a título de compensação, assume o compromisso de pagar a pensão militar em substituição ao Montepio.Saliente-se aqui que o Governo fez excelente negócio: incorporou uma fortuna ao Tesouro e comprometeu-se em desembolsar suaves prestações, ao longo dos anos, no pagamento de pensões.
Esse pagamento era capitalizado pelas contribuições dos militares que deixavam para suas esposas e filhas os valores de 20 vezes a contribuição no caso de falecimento normal, 25 vezes no caso de falecimento em serviço e 30 vezes no caso de morte em campanha (guerra).

Com o advento da constituição de 1988, outro golpe foi aplicado em cima dos militares. É oferecido pelo governo, assim como para os funcionários civis, o pagamento da pensão integral na graduação ou posto do militar no momento de sua morte. Essa proposta resolvia os problemas das necessidades das famílias enlutadas, mas, em sua estrutura, escondia um ardil contábil: as contribuições dos militares aumentaram desmesuradamente.

Em 29 de dezembro de 2000, nova alteração, e claro, mais um golpe. A contribuição aumenta mais (pensão para a esposa 7,5%, pensão para a filha 1,5% e fundo de saúde 2,7% dos vencimentos totais, perfazendo um total maior do que o recolhido pelos funcionários civis) e a obrigação de continuar esse recolhimento na inatividade (os militares são os únicos funcionários federais nessa situação). Esses fatos fazem com que os militares recolham as contribuições, em média, por mais de cinqüenta (50) anos.

Apesar de tudo, o governo, tendo pleno conhecimento de toda essa realidade, não a divulga. A população do País ainda enxerga em cada militar um privilegiado, não raro exposto à execração pública. Onde o privilégio fica difícil de apontar (sem lembrarmos a penca de vicissitudes enfrentadas pelos militares ao longo da carreira) e o fato de que a grande maioria dos países do mundo possui um plano diferenciado de aposentadoria, com alguns privilégios, para os seus militares (no Brasil, a aposentadoria dos militares também é diferenciada: é pior do que a dos funcionários federais civis, que nada mais pagam ao se aposentarem com vencimentos integrais).

Materializando essa situação, hoje, é mais ou menos assim: um coronel, após mais de 50 anos de contribuição, (isso acontece em todos os postos ou graduações) contribui com R$ 960,00 mensais e, ao falecer, deixa uma pensão de R$ 8.000,00. Se essa retribuição fosse feita pelo critério anterior, ou seja, de 20 vezes o valor da contribuição, esse valor subiria para R$ 19.200,00. Um valor 120% maior. Em um plano de capitalização particular, durante 50 anos, essa importância seria consideravelmente maior.

Na nova reforma em gestação, novas perdas, com certeza, virão. Não temos sindicatos para defender os nossos interesses e não podemos fazer greves. Somos disciplinados e patriotas. Infelizmente, os bravateiros são insensíveis e só conhecem os argumentos calcados na força.

Desse rápido estudo fica claro que o Governo, para resolver seus problemas de caixa, aplica seguidos golpes em cima dos militares. Nessa seqüência, é plausível prever, num futuro próximo, o seguinte golpe: vamos matar todos os militares reservistas, reformados e os seus dependentes, pois esses velhinhos só dão prejuízos!

Agora vamos pensar nas aposentadorias milionárias dos terroristas e assassinos que agiram sorrateiramente nos tempos da "Ditadura Militar" (1964-1985), os quais sabiam a quem e por conta de quem lutavam, seguramente não a favor dos brasileiros, queriam aqui nos impor uma DITADURA REAL, tal qual a que existiu na antiga União das Repúblicas Socialistas Soviéticas e ainda existe em Cuba.

Privilégios e benefícios são almejados por todos, e não custa lembrar um notório liberal francês e habilidoso por desmascarar as propostas socialistas surgidas na França na primeira metade do Século XVIII, que com sua frase foi sábio:

"O Estado é a grande ficção através da qual todo mundo se esforça para viver à custa de todo mundo."
(Frédéric Bastiat)

(*) Gerhard Erich Boehme é perito criminal pela Polícia Técnco-Científica do Estado de São Paulo, consultor em gestão organizacional, professor universitário e consultor/pesquisador na área de implantação e implementação de Conselhos Comunitários de Segurança.
(Extraido de http://famildf.com.br)